Arquivo da tag: anarquismo

A igualdade legal enquanto retórica da exploração

A pedido de uma amiga, escrevi um comentário sobre coluna do ministro da Igualdade Racial Edson Santos publicada no jornal O Globo de hoje.

Meu comentário foi publicado no excelente blog “Universidade para Quem?”.

Reproduzo abaixo.

A igualdade legal enquanto retórica da exploração
por Kadj Oman
Edson Santos, ministro da Igualdade Racial, não peca por algum tipo de ingenuidade em seu texto “Nabuco errou”, publicado na edição de 17 de outubro deste ano no jornal O Globo. Ao contrário: o discurso embutido em sua análise da desigualdade racial no Brasil desde a abolição da escravatura até hoje é exatamente o esperado de um representante do governo.
O texto, bem escrito e fundamentado, aponta para as brechas históricas dos antigos governos em resolver ou diminuir o problema do racismo no Brasil. E faz isso muito bem. Seu problema consiste na análise final de que o atual debate sobre o Estatudo da Igualdade Racial, projeto de lei que tramita há mais de década pelas diversas instâncias do Legislativo, é “a mais importante ferramenta” para alcançar “não apenas a igualdade formal dos direitos, mas a igualdade real das oportunidades”. A começar por acreditar – propositalmente – que uma medida legal, de cima para baixo, em forma de lei, sobre a qual a imensa maioria da população tem informação ou acúmulo de debate nulo, pode realmente por fim à prática do racismo.
É claro que, se por um lado, a aprovação do Estatuto colocaria à disposição da população negra – e cigana, indígena, oriental… – um importantíssimo dispositivo legal para combater judicialmente a discriminação, colocar tal dispositivo como determinante para o fim de uma prática que faz parte de relações centenárias cristalizadas cotidianamente só não é ilusão por estar vindo de alguém que representa o discurso oficial parlamentar e institucional. Se as leis fossem cumpridas no Brasil, há muito teríamos uma reforma agrária real e profunda, pra dizer um mínimo – e sabemos que não é isso que acontece.
Mas o pior na argumentação do texto do ministro não é nem essa crença legalista. É a idéia de que pode haver uma “igualdade real de oportunidades” em uma sociedade de classes baseada na exploração do trabalho. A aprovação e posterior cumprimento do que está disposto no Estatuto da Igualdade Racial levaria as empresas à obrigação de respeitar igualmente os direitos de trabalhadores negros e brancos, mas não acabaria com a tensão social entre estes – continuariam em uma luta mortal pela manutenção de seu posto de trabalho, ou seja, pela manutenção de sua condição de explorado. A igualdade de oportunidades, então, não passa de retórica que serve para naturalizar a competição por emprego como intrínseca à vida social. Ao colocar o respeito legal igual a cidadãos de todas as etnias, coloca-se o foco em um conflito que iguala a todos na miséria, e não na fortuna.
Um Estatuto da Igualdade Racial que buscasse realmente qualquer igualdade real, portanto, só poderia partir de quem sofre com a desigualdade. O que não nos impede de dizer que, hoje, a aprovação do Estatuto tal como é significa um avanço – mesmo que esse avanço seja do capital em direção a outro território onde os imperativos legais ainda lhe permitam explorar os “diferentes” – imigrantes ilegais, por exemplo – ainda mais profundamente do que explora os “normais”.

A igualdade legal enquanto retórica da exploração

por Kadj Oman

Edson Santos, ministro da Igualdade Racial, não peca por algum tipo de ingenuidade em seu texto “Nabuco errou”, publicado na edição de 17 de outubro deste ano no jornal O Globo. Ao contrário: o discurso embutido em sua análise da desigualdade racial no Brasil desde a abolição da escravatura até hoje é exatamente o esperado de um representante do governo.

O texto, bem escrito e fundamentado, aponta para as brechas históricas dos antigos governos em resolver ou diminuir o problema do racismo no Brasil. E faz isso muito bem. Seu problema consiste na análise final de que o atual debate sobre o Estatudo da Igualdade Racial, projeto de lei que tramita há mais de década pelas diversas instâncias do Legislativo, é “a mais importante ferramenta” para alcançar “não apenas a igualdade formal dos direitos, mas a igualdade real das oportunidades”. A começar por acreditar – propositalmente – que uma medida legal, de cima para baixo, em forma de lei, sobre a qual a imensa maioria da população tem informação ou acúmulo de debate nulo, pode realmente por fim à prática do racismo.

É claro que, se por um lado, a aprovação do Estatuto colocaria à disposição da população negra – e cigana, indígena, oriental… – um importantíssimo dispositivo legal para combater judicialmente a discriminação, colocar tal dispositivo como determinante para o fim de uma prática que faz parte de relações centenárias cristalizadas cotidianamente só não é ilusão por estar vindo de alguém que representa o discurso oficial parlamentar e institucional. Se as leis fossem cumpridas no Brasil, há muito teríamos uma reforma agrária real e profunda, pra dizer um mínimo – e sabemos que não é isso que acontece.

Mas o pior na argumentação do texto do ministro não é nem essa crença legalista. É a idéia de que pode haver uma “igualdade real de oportunidades” em uma sociedade de classes baseada na exploração do trabalho. A aprovação e posterior cumprimento do que está disposto no Estatuto da Igualdade Racial levaria as empresas à obrigação de respeitar igualmente os direitos de trabalhadores negros e brancos, mas não acabaria com a tensão social entre estes – continuariam em uma luta mortal pela manutenção de seu posto de trabalho, ou seja, pela manutenção de sua condição de explorado. A igualdade de oportunidades, então, não passa de retórica que serve para naturalizar a competição por emprego como intrínseca à vida social. Ao colocar o respeito legal igual a cidadãos de todas as etnias, coloca-se o foco em um conflito que iguala a todos na miséria, e não na fortuna.

Um Estatuto da Igualdade Racial que buscasse realmente qualquer igualdade real, portanto, só poderia partir de quem sofre com a desigualdade. O que não nos impede de dizer que, hoje, a aprovação do Estatuto tal como é significa um avanço – mesmo que esse avanço seja do capital em direção a outro território onde os imperativos legais ainda lhe permitam explorar os “diferentes” – imigrantes ilegais, por exemplo – ainda mais profundamente do que explora os “normais”.

Kadj Oman, 27, é professor de Geografia e militante anarquista

ScuG Manifesto

Há uns 4 anos atrás, eu lancei o número zero de um zine que se chamava “Alice”.

O subtítulo era “masculino e feminista”.

A idéia era manter uma publicação independente feita por homens feministas.

Não saiu do lugar, porque não encontrei outros homens dispostos a escrever sobre isso.

Esses dias, estava dando uma olhada no meu email e não só achei o zine como um outro texto que escrevi à época e não publiquei.

Há um livro muito famoso entre xs feminstas chamado “SCUM Manifesto – uma proposta para a destruição do sexo masculino”. Um livro bom, aliás.

Foi baseado nele que escrevi o texto abaixo.

Um tema que, volta e meia, me incomoda novamente. Porque na verdade está sempre incomodando, mesmo quando eu não lhe dou atenção – na vã tentativa de sufocá-lo.

scuG manifesto – um esboço para uma proposta de destruição dos gêneros
Houve quem disse, quando o menino nasceu, que ele seria jogador de futebol. ‘Dá pra ver pelo jeito como ele chuta’, brincaram o médico, o tio, a
mãe, o pai. A menina, por sua vez, tão graciosa, com certeza seria bailarina. De olhos tão lindos…
Mas as crianças agora cresceram e se deparam com dificuldades. Ele, mais desengonçado que parto de girafa, não leva o mínimo jeito pro futebol
– nem ‘catar no gol’ consegue. Ela, desastrada como um búfalo manco, quebra pelo menos dois copos por mês – a mãe já não aguenta mais remendar suas
calças. São crianças, mas as broncas e as expectativas sobre elas já fazem com que se sintam meio desconfortáveis. Terão de aprender a seguir o modelo
de acordo com seus órgãos genitais, seus hormônios e seus (quase desconhecidos) corpos. São escravos de uma construção de gêneros que em nada tem
a ver com suas vontades, interesses, amizades, impulsos e mesmo sentimentos. As chances de serem adultos frustrados que repetem o ciclo são enormes – e
é aí que a reprodução da complexa estrutura de poder entre masculino e feminino se garante. Uma estrutura que se acomoda nas mais estreitas entranhas de
todo o ‘corpo social’ – ou, para sermos menos abstratos, que se coloca entre eu e você. A toda hora. A todo momento. A cada troca de olhares, a cada
coçadinha no saco, a cada unha pintada.
Se sentir mal por representar um papel forçado, uma camisa de força tida como natural, transforma qualquer possibilidade de ir além do outro
gênero uma viagem dolorosa. Cada espaço funcional da cidade espera de seus atores que declamem suas falas corretamente. As ações estão
devidamente engavetadas, coisas de homem e coisas de mulher, e quem as trespassa está agindo como uma bicha louca ou um sapatão. Mas, espere aí: se
é exatamente agir de acordo com o que queremos, o que sentimos e com o que e quem nos sentimos bem o que nos dá a sensação de sabermos nosso
lugar no mundo, então são os espaços que devem mudar, e não nós; quem deve ditar os papéis somos eu e você, e não nossos falos ou vulvas. Espaços
são também percepções individuais, o meu, o seu, o nosso; e se ser como e o que eu quero ser me deixa desconfortável em qualquer espaço, eles é que
devem ser destruídos, não eu.
O que estou tentando dizer é que todo espaço, desde a sua cama até uma rua qualquer, é um espaço de gênero. Uma afirmação um tanto forte,
mas de observações vazias e óbvias quem vive atualmente é a ciência, ou o que gosta de chamar de ciência aqueles que dela se utilizam para exatamente
manter esses espaços. A ‘cidade do capital’ é um espaço de gênero, e a MENTALIDADE do urbesino habitante dessa cidade segue a lógica espacial da
sua construção. Mais: todo espaço na cidade foi construído pela mão masculina do capital, embora muitos deles sejam subvertidos durante algum ou muito
tempo. Sim, existem subversões espaciais, e é basicamente através delas que eu acredito que pode existir uma desconstrução de gêneros.
Imagine como seria se você, ser humano com saco escrotal, fosse abordado por outro ser humano com a mesma peculiaridade biológica e não
soubesse se ele realmente só quer um cigarro ou se existem segundas intenções – mulheres, sigam a lógica trocando ‘saco escrotal’ por ‘vulva’. Imagine se
essa sensação de não saber o que o outro realmente quer não lhe incomodasse, ao contrário: lhe trouxesse perspectivas e até, vez ou outra, te deixasse de
pinto duro. ‘Ah, mas isso já acontece em qualquer balada gay’; é verdade. Embora estas situações aconteçam também em espaços destinados a elas,
espaços onde são permitidas e absorvidas pela própria estrutura que as sufoca (a Parada Gay é o maior exemplo disso), não deixam de ser afrontas à regra.
Mas imagine se isso acontecesse em todo e qualquer lugar e a qualquer momento. Em qualquer espaço. Imagine homens se beijando ao seu lado no vagão
do metrô, e mulheres conversando sobre sexo anal. Filmes com transsexuais como personagens principais. Sua namorada te penetrando com um cinto de
borracha. Sexo no meio da rua. Se essa perspectiva superficial de uma outra realidade supostamente ‘sem gênero’, ‘sem moral’ e sem lugar já te deixa todx
embaralhadx, talvez até excitadx (não necessariamente num sentido sexual), pensar que HOJE essas coisas já acontecem (mesmo que em lugares
escondidos da ‘normalidade urbana’) nos leva ao (talvez central) ponto desta discussão: a identidade.
Valores, tradições, cultos e mitos nos servem para nos ajudar a descobrir o que somos. Ajudam a nos encaixar neste ou naquele grupo, mesmo
que hoje a tal da ‘pós-modernidade’ – ou os efeitos da transformação das culturas todas em mercadoria – tenha levado todos os conteúdos a se tornarem
formas quase sempre superficiais. Nos identificamos com este ou aquele grupo e, assim, passamos a pertencer a ele – e ele a nós. A questão do gênero não
deixa de seguir esta lógica. Só que a dicotomia/complementaridade homemXmulher carrega em si algo a mais, algo peculiar: JÁ NASCEMOS CONFINADOS
A SEGUIR ESTE OU AQUELE LADO. E é aí que a identidade começa a se partir, a conflitar, a se confundir. Eu tenho pinto, então devo jogar bola, mas todas
as imagens de bonecas e vestidinhos me deixam loucos de vontade de brincar com elas; pra que lado correr, se meu sexo, atrelado a uma concepção
‘universal’ de gênero, diz uma coisa, e minhas vontades dizem outra? Se meu cérebro, quimicamente, borbulha por um carrinho e não por dançar balé, devo
enfrentar a mim mesma ou aos meus pais, que me querem como uma menininha delicada? Se hoje, destruir completamente as noções de gênero nos deixaria
perdidos identitariamente, então o caminho para uma suposta liberdade passa também pela descontrução das identidades pré-concebidas. Dã, que
conclusão óbvia: o que seria o gênero, social, cultural e politicamente falando, senão um AGREGADO DE VALORES IDENTITÁRIOS CONSTRUÍDOS E
MUTADOS DE ACORDO COM A NECESSIDADE DE DEFESA DA ESTRUTURA DE PODER CRIADA COM BASE NESTES MESMO VALORES?
Acabar com os gêneros é acabar com séculos de história; HOJE, é acabar com a lógica da reprodução capitalista – das mercadorias e,
principalmente, dos valores. Reparem: estou propondo nada mais nada menos que o fim da cultura, ou pelo menos DESTA cultura – machista e falocêntrica. É
enfrentar espancamento e violência, separação, reclusão, exclusão. Tarefa que cada travesti, cada lésbica, cada gay acaba carregando com si, mesmo que
não perceba, mesmo que lute ‘apenas’ por poder comprar no shopping sem ser atacado – enquanto eu e você, amigo homem, estamos aqui sentados
pensando que estupro é questão de distúrbio psicológico apenas.

ScuG Manifesto – um esboço para uma proposta de destruição dos gêneros

Houve quem disse, quando o menino nasceu, que ele seria jogador de futebol. ‘Dá pra ver pelo jeito como ele chuta’, brincaram o médico, o tio, a mãe, o pai. A menina, por sua vez, tão graciosa, com certeza seria bailarina. De olhos tão lindos…

Mas as crianças agora cresceram e se deparam com dificuldades. Ele, mais desengonçado que parto de girafa, não leva o mínimo jeito pro futebol – nem ‘catar no gol’ consegue. Ela, desastrada como um búfalo manco, quebra pelo menos dois copos por mês – a mãe já não aguenta mais remendar suas calças. São crianças, mas as broncas e as expectativas sobre elas já fazem com que se sintam meio desconfortáveis. Terão de aprender a seguir o modelo de acordo com seus órgãos genitais, seus hormônios e seus (quase desconhecidos) corpos. São escravos de uma construção de gêneros que em nada tem a ver com suas vontades, interesses, amizades, impulsos e mesmo sentimentos. As chances de serem adultos frustrados que repetem o ciclo são enormes – e é aí que a reprodução da complexa estrutura de poder entre masculino e feminino se garante. Uma estrutura que se acomoda nas mais estreitas entranhas de todo o ‘corpo social’ – ou, para sermos menos abstratos, que se coloca entre eu e você. A toda hora. A todo momento. A cada troca de olhares, a cada coçadinha no saco, a cada unha pintada.

Se sentir mal por representar um papel forçado, uma camisa de força tida como natural, transforma qualquer possibilidade de ir além do outro gênero uma viagem dolorosa. Cada espaço funcional da cidade espera de seus atores que declamem suas falas corretamente. As ações estão devidamente engavetadas, coisas de homem e coisas de mulher, e quem as trespassa está agindo como uma bicha louca ou um sapatão. Mas, espere aí: se é exatamente agir de acordo com o que queremos, o que sentimos e com o que e quem nos sentimos bem o que nos dá a sensação de sabermos nosso lugar no mundo, então são os espaços que devem mudar, e não nós; quem deve ditar os papéis somos eu e você, e não nossos falos ou vulvas. Espaços são também percepções individuais, o meu, o seu, o nosso; e se ser como e o que eu quero ser me deixa desconfortável em qualquer espaço, eles é que devem ser destruídos, não eu.

O que estou tentando dizer é que todo espaço, desde a sua cama até uma rua qualquer, é um espaço de gênero. Uma afirmação um tanto forte, mas de observações vazias e óbvias quem vive atualmente é a ciência, ou o que gosta de chamar de ciência aqueles que dela se utilizam para exatamente manter esses espaços. A ‘cidade do capital’ é um espaço de gênero, e a MENTALIDADE do urbesino habitante dessa cidade segue a lógica espacial da sua construção. Mais: todo espaço na cidade foi construído pela mão masculina do capital, embora muitos deles sejam subvertidos durante algum ou muito tempo. Sim, existem subversões espaciais, e é basicamente através delas que eu acredito que pode existir uma desconstrução de gêneros.

Imagine como seria se você, ser humano com saco escrotal, fosse abordado por outro ser humano com a mesma peculiaridade biológica e não soubesse se ele realmente só quer um cigarro ou se existem segundas intenções – mulheres, sigam a lógica trocando ‘saco escrotal’ por ‘vulva’. Imagine se essa sensação de não saber o que o outro realmente quer não lhe incomodasse, ao contrário: lhe trouxesse perspectivas e até, vez ou outra, te deixasse de pinto duro. ‘Ah, mas isso já acontece em qualquer balada gay’; é verdade. Embora estas situações aconteçam também em espaços destinados a elas, espaços onde são permitidas e absorvidas pela própria estrutura que as sufoca (a Parada Gay é o maior exemplo disso), não deixam de ser afrontas à regra. Mas imagine se isso acontecesse em todo e qualquer lugar e a qualquer momento. Em qualquer espaço. Imagine homens se beijando ao seu lado no vagão do metrô, e mulheres conversando sobre sexo anal. Filmes com transsexuais como personagens principais. Sua namorada te penetrando com um cinto de borracha. Sexo no meio da rua. Se essa perspectiva superficial de uma outra realidade supostamente ‘sem gênero’, ‘sem moral’ e sem lugar já te deixa todx embaralhadx, talvez até excitadx (não necessariamente num sentido sexual), pensar que HOJE essas coisas já acontecem (mesmo que em lugares escondidos da ‘normalidade urbana’) nos leva ao (talvez central) ponto desta discussão: a identidade.

Valores, tradições, cultos e mitos nos servem para nos ajudar a descobrir o que somos. Ajudam a nos encaixar neste ou naquele grupo, mesmo que hoje a tal da ‘pós-modernidade’ – ou os efeitos da transformação das culturas todas em mercadoria – tenha levado todos os conteúdos a se tornarem formas quase sempre superficiais. Nos identificamos com este ou aquele grupo e, assim, passamos a pertencer a ele – e ele a nós. A questão do gênero não deixa de seguir esta lógica. Só que a dicotomia/complementaridade homemXmulher carrega em si algo a mais, algo peculiar: JÁ NASCEMOS CONFINADOS A SEGUIR ESTE OU AQUELE LADO. E é aí que a identidade começa a se partir, a conflitar, a se confundir. Eu tenho pinto, então devo jogar bola, mas todas as imagens de bonecas e vestidinhos me deixam loucos de vontade de brincar com elas; pra que lado correr, se meu sexo, atrelado a uma concepção ‘universal’ de gênero, diz uma coisa, e minhas vontades dizem outra? Se meu cérebro, quimicamente, borbulha por um carrinho e não por dançar balé, devo enfrentar a mim mesma ou aos meus pais, que me querem como uma menininha delicada? Se hoje, destruir completamente as noções de gênero nos deixaria perdidos identitariamente, então o caminho para uma suposta liberdade passa também pela descontrução das identidades pré-concebidas. Dã, que conclusão óbvia: o que seria o gênero, social, cultural e politicamente falando, senão um AGREGADO DE VALORES IDENTITÁRIOS CONSTRUÍDOS E MUTADOS DE ACORDO COM A NECESSIDADE DE DEFESA DA ESTRUTURA DE PODER CRIADA COM BASE NESTES MESMO VALORES?

Acabar com os gêneros é acabar com séculos de história; HOJE, é acabar com a lógica da reprodução capitalista – das mercadorias e, principalmente, dos valores. Reparem: estou propondo nada mais nada menos que o fim da cultura, ou pelo menos DESTA cultura – machista e falocêntrica. É enfrentar espancamento e violência, separação, reclusão, exclusão. Tarefa que cada travesti, cada lésbica, cada gay acaba carregando com si, mesmo que não perceba, mesmo que lute ‘apenas’ por poder comprar no shopping sem ser atacado – enquanto eu e você, amigo homem, estamos aqui sentados pensando que estupro é questão de distúrbio psicológico apenas.

Futebol anarquista nos EUA

[EUA] Futebol anarquista e sem fronteiras no Texas

[De 24 a 29 de março de 2009, o grupo Futebol Anarquista de Austin organizará o primeiro “Torneio de Futebol Sem Fronteiras do Texas”.]

Por que um torneio de futebol? E por que futebol anarquista? O que é isso?

O futebol é considerado o esporte mais popular no mundo, talvez porque tudo que você necessita para jogá-lo são alguns amigos e uma bola. Esta popularidade faz do futebol um canal muito bom para facilitar e estimular as redes sociais além de nossos círculos menores de militância.

Nos últimos três anos, o grupo Futebol Anarquista de Austin enviou equipes para jogar na “Copa Mundial Antiracista”, que acontece a cada ano na Itália, com mais de 200 times de várias partes do mundo, inclusive equipes de imigrantes. Esta iniciativa nos inspirou a criar algo semelhante neste lado: uma mistura de futebol, história e política radical, música, mostra de filmes, acampamento, educação e diversão. Todo boleiro é bem-vindo!

Os anarquistas vêm jogando futebol desde que o jogo foi inventado – talvez isso tenha algo a ver com os fluxos do jogo ao redor de um campo, de gol a gol e de uma linha lateral a outra. Quiçá tenha algo a ver com a maneira de pensar como equipe onde um grande jogador não consegue ganhar nenhuma partida se o outro time joga bem coletivamente, em conjunto. Ou, talvez, é nada mais que a felicidade de estar com companheiros, amigos… correndo por algum campo, rua ou estacionamento atrás de uma bola.

Por isso, não importa se você joga bem ou se está apenas aprendendo a jogar futebol, junte seus amigos e escolha um nome para a sua equipe, e se inscreva em anarchistsoccer.org para compartir e festejar conosco. Será muito divertido, e o melhor, será o primeiro torneio de uma nova tradição no litoral do Texas!

agência de notícias anarquistas-ana

Helicóptero anarquista

Anarquista grego foge de helicóptero pela segunda vez da mesma prisão

O anarquista grego Vassilis Paleokostas, e seu comparsa, o albanês Alket Rizaj, realizaram uma fuga espetacular em helicóptero de uma prisão de segurança máxima grega pela segunda vez em três anos, neste último domingo (22). A fuga se deu em meio a tiroteio com guardas do presídio.

Ambos foram pegos no pátio da prisão Korydallos, em Atenas, na tarde deste domingo. Os detentos escalaram uma escada de corda lançada por uma mulher que estava no helicóptero.

Guardas em solo abriram fogo e a mulher atirou de volta com um rifle automático. Não houve relatos de feridos.

Paleokostas e Rizaj escaparam da mesma prisão através do mesmo método há cerca de três anos.

Mais tarde, um casal de idosos encontrou a aeronave abandonada perto de uma estrada ao norte de Atenas. O piloto estava vendado, amarrado e com um capuz na cabeça. Ele disse à polícia que o helicóptero havia sido alugado por um casal que dissera querer ir de Itea, no centro da Grécia, a Atenas, e que foi obrigado a participar da fuga, ameaçado com uma arma automática e uma granada de mão. O casal havia alugado o helicóptero algumas vezes nas semanas anteriores.

Paleokostas e Rizaj deveriam aparecer perante um magistrado nesta última segunda-feira (23) justamente em razão da fuga anterior de helicóptero, em 4 de junho de 2006. A operação havia sido planejada pelo irmão mais velho de Paleokostas, Nikos, condenado que fugiu da mesma prisão em 1990, durante fuga em massa.

Nikos foi recapturado pelas autoridades em setembro de 2006 e ainda está na cadeia. Ele foi condenado por 16 roubos a bancos.

Rizaj, imigrante albanês, também foi recapturado em setembro de 2006. Vassilis Paleokostas foi preso em agosto de 2008.

Enquanto esteve foragido, Paleokostas é suspeito de planejar o seqüestro, em junho de 2008, de um proeminente empresário grego, Giorgos Mylonas, refém por 13 dias até o pagamento do resgate por sua família.

Vídeo da fuga: http://www.youtube.com/watch?v=4qbJ1RLqqAw

Vassilis e Nikos Paleokostas, dois irmãos, duas “lendas rebeldes” bem conhecidas na Grécia

Desde a queda do império Otomano em 1821 a Grécia passou a conhecer uma grande tradição muito popular de ladrões classistas e sociais, como sendo uma resposta à pobreza e à exploração. Estas pessoas tomariam de volta o dinheiro dos ricos, das autoridades, dos exploradores, e freqüentemente se escondiam em vilarejos, com a ajuda das pessoas; estas se recusariam a ajudar a polícia e os protegeria das autoridades.

Os rebeldes sempre tiveram fortes conexões com as pessoas e providenciaram para suas comunidades, por exemplo, apoio financeiro para educação e medicação, tendo por sua vez proteção da comunidade em relação à polícia. Nesta realidade, os dois irmãos Vassilis e Nikos, e ainda muitos outros, que cresceram em uma família muito pobre, não poderiam mais suportar suas próprias explorações e escravizações bem como as das pessoas que os circundam nesta sociedade, e assim, durante os últimos 30 anos, eles têm vivido suas vidas como rebeldes sociais.

Eles fizeram dezenas de assaltos a bancos, roubos de carros e fugas de presídios, mas nunca tiveram roupas elegantes, dirigiram carros caros ou viveram em casas luxuosas. De fato teve uma vez que eles atiraram de volta o dinheiro para o chão do banco, porque aquele pequeno montante não era a quantia que eles realmente precisavam. Tudo isto foi sempre enviado para onde era necessário e compartilhado com as pessoas que os protegeram, os esconderam e ainda não vão dizer uma palavra sequer para a polícia sobre os seus companheiros.

Durante todos esses anos eles permaneceram nos “subsolos”, enquanto eram trilhados pela polícia de tempos em tempos, quer resultando em bem-sucedidas fugas em carros roubados ou tendo que enfrentar um infeliz tempo de prisão. Sempre escapando dela, no entanto, com a amante e espetacular ajuda do outro irmão.

Por toda a década de 80 eles fizeram muitos assaltos, até Nikos terminar na prisão em 1988, mas foi solto pelo seu irmão, Vassilis, poucos dias mais tarde, jogando, pelo lado de fora, uma corda sobre o muro da prisão. Dois anos depois, em fevereiro de 1990 ele foi preso novamente. Um mês depois Vassilis foi infortunadamente pego com um amigo, enquanto tentava resgatar seu irmão. Esta foi, supostamente, a primeira vez em que ambos estavam na prisão ao mesmo tempo.

Em dezembro de 1990, no entanto, Nikos escapa da prisão Korydallos em Atenas após um enorme levante no presídio; a polícia então estaria procurando por ele pelos próximos 16 anos, até que o pegou, por acidente, quando estava em uma batida de carro em 2006. Desde então ele nunca mais saiu.

Em 1991 Vassilis consegue escapar da prisão de Halkida. Em 1992 ele rouba um banco. Em 1995, juntos, eles assaltam um banco em Atenas. Em dezembro de 1995 eles estavam sendo acusados de seqüestrarem o presidente da Haitoglou, uma grande fábrica de “halvas” (comida grega).  Eles, supostamente, o deixaram ir após quatro dias e também após receberem 750.000 euros de resgate. O ministro da ordem pública profere então um mandado de prisão que circulou na televisão e na rádio, além de cartazes com as fotos deles e uma recompensa exatamente de 750.00 euros.

Em 1996, Vassilis foi rastreado pela polícia em Korfu, mas conseguiu escapar dela tomando um carro. Dois anos mais tarde a mesma situação ocorre em Yanitsa, e volta a se repetir em maio de 1999. Em 2003, Nikos faz uma fuga espetacular com um helicóptero.

Em 2006, Nikos, de bicicleta, roubou um banco em Veria e fugiu porque a massa de policiais lá presente estava completamente preocupada com a proteção do presidente que estava visitando as ruas de Veria naquele exato momento. Em setembro daquele mesmo ano ele teve um acidente de carro e foi preso novamente, após muitos anos se escondendo e vivendo como um fugitivo.

A polícia descobre sobre a identidade e o paradeiro do grupo porque um quarto homem estava gastando largas somas de dinheiro em carros luxuosos em Creta. Também porque Georgos Mylonas tinha declarado à polícia que durante seu seqüestro ele tinha ouvido aviões sobrevoando por lá muito freqüentemente. Com a prisão do homem em Creta eles descobriram que tinham alugado uma casa em Souroti, uma tranqüila área perto de Tessalonica, próxima ao aeroporto. A polícia alega que com 14 policiais da força especial e 10 policiais civis (é muito possível que havia bem mais), eles cercaram a casa em Souroti. Ambos foram presos lá, onde tinham também mantido Mylonas e a artilharia.

No dia 22 de agosto de 2008, todos eles foram levados ao promotor, que deu à eles três dias para preparar a defesa, e decidir sobre a continuidade da detenção pré-julgamento deles. Encaram nove acusações (3 crimes, 6 delitos). Após o processo eles foram arrastados por dois grandes policiais da tropa de elite para a imprensa, ávida para tirar uma foto dos mais procurados na Grécia, e orgulhosa de mostrar a todos que eles foram pegos; o pesadelo de todo o sistema que impõe a lei, o controle e a punição sobre as pessoas.

agência de notícias anarquistas-ana


Bola e Arte

Saiu o programa Bola e Arte, da FizTV, que tem a entrevista com o Autônomos FC e a Fora de Jogo.

Assistam aqui (parte 1) e aqui (parte 2).

O Carlos Carlos, entrevistador, cara gente finíssima, soltou esse release pra divulgação:

BLOCO 01:

Bola e Arte 39 Bloco 01 – Ano II muito especial com a presença do time de várzea Autônomos F.C. e da Banda Fora de Jogo, que na real são tudo a mesma coisa!! Haha.. Um time formado com bases auto-gestionadas, com influências do Anarquismo e lutando por um futebol com mais brincadeira, menos mercadológico. Histórico do time e da banda, futebol e sociedade machista, o som da Banda Fora de Jogo e mais o que vc captar… 

BLOCO 2:  

Bola e Arte 39 Bloco 02 – Ano II muito especial com a presença do time de várzea Autônomos F.C. e da Banda Fora de Jogo, que na real são tudo a mesma coisa!! Haha.. Um time formado com bases auto-gestionadas, com influências do Anarquismo e lutando por um futebol com mais brincadeira, menos mercadológico. As entrelinhas da auto-gestão no futebol e na vida, futebol de várzea, brincadeiras futebolísticas, o som da Banda Fora de Jogo e o que vier na próxima semana…

Aproveito p/ informar que o Bola e Arte desembarcou no Rio de Janeiro e gravou uma temporada surreal com convidados muito especiais!! Em breve no ar!!!

Abs e bjs,

CarlosCarlos
Programa Bola e Arte
www.fiztv.com.br/bolaearte
CNSA – Comunidade Nossa Senhora dos Artistas

Novos protestos na Grécia

protestos em atenas, grécia

[há 18 anos, num 9 de janeiro, um movimento estudantil poderoso ocupava as escolas gregas. em patras, nikos temponeras, professor do ensino secundário solidário com os estudantes, defendia a ocupação da sua escola. foi morto, espancado com uma barra de metal por um grupo de estudantes de direita, membros da nova democracia. por isso, e muito mais, eles e elas, não esquecem, protestam. presente e futuro.]
 
nesta sexta-feira (9) milhares de manifestantes, principalmente estudantes, tomaram às ruas da capita grega, atenas, com cerca de 20 mil pessoas protestando contra as reformas educacionais, o terrorismo de estado, a polícia, as políticas do governo de costas karamanlis… e, como de costume, aconteceram enfrentamentos envolvendo manifestantes e forças da ordem… estima-se que mais de 8 mil policiais estavam nas ruas de atenas…
 
um bloco anarquista muito forte com mais de 2 mil ativistas marcou presença, com bandeiras, faixas e “tudo mais”…
 
para quem não sabe, a região de atenas tem mais ou menos 3 milhões de habitantes, a região metropolitana de são paulo tem quase 20 milhões de pessoas… ou seja, trazendo o número de manifestantes gregos para a nossa realidade, 20 mil pessoas lá, aqui seriam cerca de 130 mil pessoas… enfim… outra realidade dos gregos… outras iniciativas, atitudes e sensibilidades para a luta, a revolta, a vida…
 
em outras cidades da grécia também ocorreram manisfestações… aliás, a grande mídia não divulga mais nada da “rebelião grega”, mas “o bicho” continua pegando e mordendo lá desde a morte do jovem alexis… com “muita” intensidade…
 
em tessalônica, um grupo atacou e destruiu o escritório de uma empresa de trabalho escravo/temporário, vale a pena dar uma olhada nessa sequência de fotos, incrível:http://athens.indymedia.org/front.php3?lang=el&article_id=966453
 
aqui fotos dos protestos em atenas, mas tem vários outros links com imagens no cmi-atenas:
 
o idioma grego é um obstáculo, mas infos atualizadas regularmente da “rebelião grega”, em inglês:www.occupiedlondon.org em castelhano, ótimo trabalho de contra-informação: http://grecia-libertaria.blogspot.com/ 
 
por fim, uma perguntinha… porque na “rebelião grega”, quase sempre nas fotos que chegam de lá, vemos cachorros no meio dos manifestantes?
 
moésio R.

Anti-cárcere

casaberta