A galega

A galega
era independentista
y feminista
re anarquista
con sus lunares
a perder de vista

queria dança
samba no pé
gostava festa
pedia axé

tantas sonrisas
por entre as pintas
que não vai ser fácil
esquecer
(nem querer)

A galega
una semana
que teve a chama
de uma dessas
paixões quaisquer

mas hoje entonces
passados dias
quem é que olvida?

os dias poucos
abraços tantos
besitos, mimos
de bem-me-quer.

que lindo fueste!
que dias, estes
con a galega
do quer-não-quer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s