Cem anos sem solidão

Sempre que me perguntam como eu me tornei torcedor do Corinthians, eu conto a historinha oficial: meu pai, carioca, me explicou os times de São Paulo e se ofereceu pra me levar em um jogo de cada. No primeiro, São Paulo 1 x 2 Atlético-MG, no Palestra Itália. Não gostei. No segundo, não lembro onde nem contra quem, fui ver o Corinthians. E acabei não vendo: a torcida me ganhou tanta atenção que na memória ficaram só o som e as imagens trêmulas daquela imensidão de gente cantando e dançando. Ali, sempre digo, me tornei muito mais que torcedor: me tornei corinthiano.

Hoje, quando o Corinthians completa 100 anos, percebo que talvez seja hora de reparar essa versão. Porque não me tornei corinthiano ali, pelos idos de 1989 ou 1990. Foi antes. Bem antes.

Eu não era nascido em 1910, 1914, 1916, 1922, 1930, 1954, 1968, 1976, 1977. Mas hoje, quando eu abro qualquer um dos vários jornais que comprei pra mostrar aos meus filhos o dia em que fiz 100 anos, me vejo nas imagens daquelas épocas e sinto algo estranho, algo talvez indizível. Estou ali, contra as leis do tempo cronológico. Estamos ali, eu, meu pai, minha avó e tanta gente mais que por 100 anos escreveu por linhas diversas uma mesma história. Não essa história por vezes chata e oficial, cheia de números. Uma história de pessoas, de lágrimas, sorrisos, abraços e brigas. Uma história que tem os olhos marejados de meu pai em 1993 tentando conter meu pranto, os gritos de minha vó ao telefone em 2005, o chute no armário que quase quebrou meu pé em 2008, as longas horas de volta de Porto Alegre em 2007, o título em silêncio com meu pai em coma em 2009. Que tem minhas gatas, minha cachorra, minha mãe – sempre – e meus irmãos palmeirenses. Que tem minha irmã são-paulina. Uma história que não dá pra diagramar, analisar ou relatar: uma história de contos, de boca a boca, riso a riso, olho no olho.

O Corinthians não é um clube de futebol, tampouco uma religião, como brincam. O Corinthians é o Corinthians. Um sentimento, como o amor, a tristeza, a saudade. Um jeito de ser, de falar, de ouvir, de cantar, de dançar. O Corinthians não é nada sem mim – ou sem qualquer um dos 30 milhões de corinthianos – e eu não sou nada sem ele. O Corinthians não é família, nem lazer de fim de semana, nem festa. O Corinthians é. Simplesmente é.

Levantei neste primeiro dia de setembro de 2010 sem saber direito como comemorar 100 anos de Corinthians. Como se comemora o fato de ser? Passei o dia remoendo isso. Percebi que é só continuar sendo. Como sempre. Porque o Corinthians é. E nós somos. Como um verbo, um imenso verbo que eu aprendi a conjugar sempre no plural desde que um dia, na Grécia Antiga, um filósofo de nome Sócrates avistou um bando de loucos dançando e cantando aparentemente sem motivo e disse “Vai, Corinthians”.

Hoje, faz 100 anos que nós respondemos: vamos.

Anúncios

10 Respostas para “Cem anos sem solidão

  1. Parabéns, meu companheiro de bancada! Texto lindo, mas eu sabia que se entrasse aqui me emocionaria mais uma vez. Beijão.
    Lelê

  2. Ronaldo Kirilauskas

    E ai camarada,
    Gostei do texto e do título. Quem sabe não seria este o título do livro de Gabriel Gárcia Márques, fosse seus personagens corinthianos, maloqueiros e sofredores.
    Abraço e parabéns pra nós. Continuemos, neste segundo centenário, a ser, em toda sua complexidade, o que simplismente somos: Corinthianos.

  3. Se tivesse ido num jogo do Palmeiras, teria sido mais uma pessoa decente no mundo. Mas prefiriu o caminho escuro da força.

    Parabens ao centenada do seu timeco – que eu sei respeitar como rival – mas que para o mundo não significa nada. Nada.

    E, caso consiga aprender maior vocabulário, coisa de Palmeirense, verá que existe um termo decente para “indizível” (essa foi bem curintia, hein??)
    Tal termo é “inefável”. Mas reconheço sua tentativa fraca e até infantil de tentar falar bonito.

    Lembrará sempre que um Palmeirense te ensinou a dizer “inefável”. Como em tudo na vida.
    Palmeiras te ensinou a sofrer, pois só o PALMEIRAS eliminou o seu timeco duas vezes seguidas da libertadores. E eu posso dizer! Estar na Bambinera e assistir ao Marcos pegar a cobrança do Mac. Carioca foi INEFÁVEL!

    Só o Palmeiras não recebeu apoio publico para ter suas conquistas. O Palmeiras é time de fibra, time de homem que sabe construir e andar com as proprias pernas. Felicidades ao curitia!

    PALMEIRAS

    • Se você não sacou o indizível, problema seu (ok vai, vou dar uma colher de chá: http://pt.wiktionary.org/wiki/indiz%C3%ADvel). Mas não ache que alguém que fecha parêntese e começa outra outra frase sem pontuar e que escreve Libertadores em minúscula e palmeirense em maiúscula, sem falar na GENIAL e INOVADORA sacada de escrever “curintia” vai me ensinar qualquer coisa.

      Volta pra escolinha, aprende um pouco mais de sintaxe e redação, espera mais 4 anos e aí comemora o seu centenário. E torce pro teu time estar na primeira divisão até lá, porque do jeito que vai…

      Enquanto isso compra uma pomada pra esse cotovelo aí e deixa o Corinthians pra nós, corinthianios. Ah, esqueci: é impossível pra vocês deixar de falar da gente né.

      Fazer o quê se esse nosso timeco incomoda tanto…

  4. Eu já sabia que o Corinthians era grande, muito grande. Já sabia que incomodava muita gente. Mas no dia 1º de setembro de 2010 eu juro que me espantei com o tamanho, com a grandeza e com a força do Corinthians. Realmente, como eu aprendi quando criança, só existem dois tipos de pessoas no mundo: os Corinthianos e os anti-Corinthianos (que de vez enquando se lembram que torcem pra um time também).

  5. Adoro seu blog… Ja tinha lido outros textos, mas este vejo só agora…
    Texto muito bom!!! ^^
    VaiCorinthians

    ***Tava com errinho rs

  6. Sempre venho por aqui, tenho seu blog entre os meus favoritos. Mas só hoje eu descobri que o primeiro jogo que você viu na vida foi uma vitória do meu Galo (coisa rara hoje em dia).

    Passa no blog quando der. O endereço é http://doutorsujeira.blogspot.com

    Valeu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s