Amor, carinho e dedicação

Eu entrei na faculdade em 2002. Cronologicamente. 

Porque meu coração só conseguiu achar espaço ali lá pro fim de 2005, quando eu conheci o MACD – Movimento Amor, Carinho e Dedicação.

Um nome “sério de brincadeira”, de uma galera que prega o amorismo.

E que joga bola de um jeito que eu sempre sonhei em jogar: com o coração, e nada mais do que isso.

Em 2006, jogando pelo MACD, me sagrei campeão da Copa FFLCH. Numa final contra os rivais históricos do TTV, depois de uma semifinal em que saímos perdendo de 3 x 0 – quando virei pra todo mundo e disse: vamos virar esse jogo.

Terminou 6 x 4. Pra gente.

A conquista foi tão emocionante que gerou um dos mais belos textos que já escrevi sobre futebol.

Um texto que me leva às lágrimas quando releio.

E que hoje, às vesperas de mais uma Copa FFLCH (começa sábado), coloco aqui como forma de incentivo ao coletivo amorista em mais uma disputa.

Aos apreciadores do esporte bretão, muito prazer, MACD.

Aos apreciadores do amor, muito tesão: MACD.

O texto de 2006: 

MACD campeão da Copa FFLCH 2006: uma vitória do amorismo

O texto a seguir é um relato da épica partida entre MACD e Tô Ti Vênu, ocorrida há algumas horas e válida pela final da Copa FFLCH 2006. Obviamente, este relato tem um lado: ele é, definitivamente, amarelo (a cor do uniforme usado pelo time amorista durante todo o campeonato) ou, pra quem preferir, vinho (a cor decidida pelo coletivo MACD para colorir o manto sagrado do time).

Espero que gostem.

Abraços,

Danilo.

***

Foram duas semanas de uma longa espera, uma delas pelo resultado do jogo da outra semifinal. Mas, no primeiro dia do último mês de 2006, saiu o adversário da final: o Tô Ti Vênu, time dos amigos e velhos conhecidos. Marcou-se a data para dali 8 dias.

Durante estes dias, às vezes dormir era difícil. A ansiedade pelo jogo, as mil imagens de como ia ser, as preocupações com este ou aquele lance perigoso. O horário só foi definido a 3 dias da partida, o que serviu, de certa forma, pra distrair a mente do jogo um pouco discutindo sobre a que horas entraríamos em quadra. Meio-dia, um sábado, como os outros 6 que tinham chegado e ido embora com vitória. Ansiávamos por aquele fim contando jogo por jogo, como o mestre Zagallo. Estava chegando a hora.

Fim de semestre, CEPEUSP vazio. Nenhum jogo nas quadras ao lado. Os dois times se aquecendo, um vermelho, outro amarelo, mas todos, com certeza, nervosos. Se entreolhavam, cochichavam, testavam os chutes e o goleiro. Gritos de incentivo de um lado e de outro, podia se perceber que o amarelo tinha um pouco mais de animação, parecia mais disposto. Um juiz de cada lado, pra enxergar melhor as jogadas, os times postos; era a hora, o começo do tão esperado fim. Fosse ele qual fosse, aquela jornada já era memorável, toda a trajetória até a final, momentos inesquecíveis.

Ao soar do apito, vieram 5 minutos de muitos erros e pouco jogo. O famoso “estudo” que um time faz do outro no começo de todo jogo importante. O MACD marcava em cima, o Tô Ti Vênu não conseguia sair jogando. Até que, num lançamento de longe, Glauco aparece sozinho na cara do goleiro amorista e faz: 1 x 0 para os vermelhos.

Ao contrário da semifinal, o amarelo não se abalou. Retomou a marcação e começou a tomar conta do jogo. Júnior, cansado, sai para dar lugar àquele que seria a estrela da tarde: seu irmão e sósia Kaká. Então, em uma bola chutada pelo goleiro vermelho do meio da quadra, o rebote cai no pé dele, recém-entrado, que chuta de longe, desviando do goleiro. Era o empate, e a camisa rasgada na comemoração.

O jogo recomeça e continua, equilibrado, mas com o MACD tendo o controle das ações. Após algumas boas defesas de Odilon, goleiro vermelho,  e um pedido de tempo do time amarelo, um lançamento até Júnior acaba em falta. A barreira se forma e Felipe enche o pé, no meio dela: a bola passa, desvia, e entra. Era a virada amarela. Delírio de um lado da quadra, as duas torcidas em polvorosa. Assustado, o Tô Ti Vênu erra a saída de bola, e o primeiro tempo acaba.

No intervalo, mais conversa. Estávamos na frente, mas ainda faltavam 20 minutos pra que pudéssemos comemorar qualquer coisa. A seriedade precisa continuar.

O segundo tempo começa e, precisando do empate, o Tô Ti Vênu cresce. O time amarelo fica nervoso e faz 3 faltas seguidas, tomando 2 amarelos. E em um lance fortuito, a bola sobra para Fábio dentro da área, que completa de letra. Baldraia tenta a defesa, mas a bola passa pelo meio de suas pernas e… ultrapassa a linha, mas não inteira. Os juízes apontam o meio da quadra, dando o gol. O MACD se revolta.

Nervoso, o time amarelo vai pra cima, querendo a vantagem que lhe havia sido roubada de volta. E num escanteio, Júnior aciona Kaká, que tira um zagueiro e faz: 3 x 2 MACD. Festa, abraços, e o dono do jogo comemora mais uma vez tirando uma lasquinha da torcida adversária.

Nem bem haviam se reestabelecido do gol e os amarelos sofriam novo empate: Pedro, sozinho depois de roubada de bola no meio da quadra, faz. O nervosismo volta.

Discutindo muito com os juízes, os jogadores do MACD começam a sofrer ameaças de expulsão. Era a hora do técnico Paulão “Telê” Fávero tomar uma atitude: tempo para o amarelo. Os juízes avisam que era melhor se acalmarem ou alguém iria expulso, Danilo discute com um deles e é puxado para fora da quadra. O jogo estava empatado e era a hora de acalmar os ânimos. Faltavam 5 minutos e quem marcasse dali pra frente provavelmente levantaria o troféu.

Mais calmos, os amarelos retornam pro jogo, e Kaká pede bola, como fez todo o tempo. Pede e recebe; recebe e, em um drible lindo, mágico, fantástico, épico, tira dois adversários da jogada e bate no canto. MACD 4, Tô Ti Vênu 3. Os reservas vermelhos não acreditam, uma garrafa d’água estoura no chão. Kaká, pra não perder o costume, provoca a torcida vermelha de novo.

O jogo recomeça e dessa vez quem está nervoso é o Tô Ti Vênu. Precisam do gol a todo custo e vem pra cima. Mas o dia era mesmo de Kaká, e em mais um lançamento, ele faz outro lindo gol: simula o passe e chuta forte, no ângulo. A bola bate no travessão e entra, decretando o 5 x 3.

Dessa vez só uma parte da torcida grita, feliz. Faltam poucos minutos para que a temporada acabe com o coroamento do time da raça, do amor, do carinho e, mais do que tudo nesse jogo, da dedicação. Os vermelhos atacam, os amarelos defendem, Baldraia salva um gol em um lindo giro de Renatinho. E, quando menos esperavam (parecia que o jogo não terminaria nunca), o apito de um dos árbitros soa três vezes. Fim de jogo. MACD campeão.

A euforia toma conta do lado amarelo. Todo o esforço, os trabalhos de campo perdidos, as brigas com as namoradas, os machucados estavam devidamente recompensados. Camila entrega as medalhas aos campeões, Baldraia ganha o prêmio de goleiro menos vazado. E finalmente, para fechar as comemorações, Pedrão, artilheiro do campeonato e pivô do Tô Ti Vênu, entrega a taça aos campeões amarelos, que dão a volta olímpica.

Eram heróis. E, mais importante que isso, amigos.

O campeonato acabava com a vitória do time esforçado, sem craques, coletivo. Se o jogo teve um astro, Kaká, este só brilhou porque o resto do time jogou como um relógio.

Cansados, partiram para o merecido almoço – afinal, jogar ao meio-dia é fogo, pelo menos o sol esteve escondido – e as não menos merecidas cervejas.

Bebidas na taça de campeão, é lógico.

MACD, campeão da Copa FFLCH 2006: um time para sempre.

***

Para ver as imagens da conquista amorista, acesse o link a seguir: http://smg.photobucket.com/albums/v415/mandioca/MACD/

Para quem não sabe o que é amorismo e tem Orkut, viste: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=130499

E para quem se pergunta porque diabos eu perco meu tempo escrevendo sobre futebol amador, eu respondo: não tenho mais saco pra futebol profissional, sem ética, sem paixão (tirando a que vem das arquibancadas) e sem escrúpulos. O futebol enquanto festa saiu do povo, e pertence à ele; então, nada mais justo do que homenagear aqueles que ainda o fazem ser bonito, apaixonante, emocionante.

***

Jogaram pelo MACD em 2006: Baldraia (Goleiro), Danilo (Fixo/Ala), Bona (Fixo), Felipão (Ala), Kaká (Pivô), Júnior (Pivô), Ribas (Pivô/Ala) e Paulão (Técnico/Pivô).

***

O texto da semi de 2006:

“Sábado, 24/11/2006, 11h da manhã.

CEPEUSP.

Jogam, pelas semifinais da Copa FFLCH, MACD x Zaratustras.

O MACD começa dominando o jogo. Tem mais posse de bola e pressiona o adversário, que não consegue sair jogando.

De repente, em um contra-ataque fortuito, o Zaratustras abre o placar. O MACD se abala e, na saída de bola, perde a posse da pelota e toma mais um gol: 2 x 0. Um minuto depois, um chute despretensioso acaba surpreendendo o goleiro, e o inesperado placar aponta: MACD 0 x 3 Zaratustras.

Movidos pelo Amor, o Carinho e a Dedicação, Ribas, Kaká, Júnior, Bona, Baldraia, Felipe, Danilo e Paulão se entreolham, sem acreditar no que está acontecendo. E resolvem que aquilo não estava correto. Como sempre diziam, podiam perder na bola, nunca na raça.

Vão pra cima.

Em uma bonita tabela entre irmãos, Júnior consegue, depois de 2 bolas na trave, descontar para o MACD. O primeiro tempo ainda assiste mais uma bola na trave em uma cobrança de falta de Ribas, mas o jogo termina com o placar parcial de 3 x 1 para o Zaratustras.

No intervalo, os 8 MACDônicos decidem que aqueles 20 minutos que faltavam tinham que ser os 20 minutos da vida deles. Bom, tudo bem, talvez não da vida, mas pelo menos do ano, ou do semestre.

Em um chute de longe, logo no começo, Kaká traz o MACD de volta ao jogo: 2 x 3. O Zaratustras se assusta, Nietzsche está morto, e em uma cobrança de lateral de Felipe, Kaká empata o jogo, de cabeça e de costas, no melhor estilo Obina de ser.

Festa absoluta em um lado da quadra, descrença do outro.

O MACD não pára, e mais uma vez Kaká, de novo de cabeça (ou de ombro), vira o jogo. Deliíro. Amor. Carinho. Dedicação. Tantos sentimentos que ele tira a camisa, não consegue recolocá-la e é substituído. Era inacreditável, aquele bando de marmanjo velho e sem fôlego tinha virado o jogo pra cima dos jovens nietzscheanos. O pessimismo dos Zaratustras aumenta, não acreditam naquele eterno retorno. E Júnior se aproveita da confusão pra acertar um belo chute: 5 x 3.

A festa estava quase pronta.

O Zaratustras, em desespero, vem pra cima. E consegue uma falta, bem próxima a área. A barreira faz o que toda barreira deveria fazer: não abre, e a bola não entra. Em um contra-ataque, Júnior decreta o fim do jogo, aos 18 do segundo tempo: MACD 6 x 3 Zaratustras.

Em êxtase, os MACDistas se abraçam. Camila, nossa única torcedora, abre um sorriso. A festa é tanta que eles se descuidam e, faltando 1 minuto para o apito final, tomam um gol de carrinho.

Mas era tarde e, 3 bolas pro mato depois, o jogo acaba.

O MACD está na final da Copa FFLCH.

Paulão, o todo-poderoso técnico MACDeiro, pula como uma criança. Alguns quase choram. Nem a Alemanha em 1954 tinha proporcionado tanta emoção aos fãs do esporte bretão.

Semana que vem, o último jogo. Mas, independente do resultado, já fizemos tudo valer a pena.

Agora é torcer pro time do Guile (Aos 45 do Segundo Tempo) contra o favoritíssimo e poderoso (será mesmo?) Tô Ti Vênu.

Olê, Olê Olê Olêêê…

M-A… C-D!!!”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s